Deutsche Post DHL
Fonte: Deutsche Post DHL |

Índice de Conectividade Global da DHL: A globalização atinge novo recorde

Maurício é o país mais conectado da África Subsaariana

A globalização é um fator-chave para o crescimento e a segurança fiscal, o que é evidente nos países que a acolheram

CAPE TOWN, África do Sul, 15 de fevereiro 2019/APO Group/ --

Os fluxos internacionais de comércio, capital, informação e pessoas se intensificaram significativamente pela primeira vez desde 2007; Maurício é o país mais conectado da África Subsaariana; Moçambique foi nomeado como um dos países onde os fluxos internacionais excedem as expectativas.

A DHL (www.DHL.com) divulgou ontem a quinta edição do Índice de Conectividade Global da DHL - uma análise detalhada da globalização, medida pelos fluxos internacionais de comércio, capital, informação e pessoas. O novo relatório do ICG representa a primeira avaliação abrangente da evolução da globalização em 169 países e territórios desde o referendo Brexit no Reino Unido e a eleição presidencial de 2016 nos Estados Unidos. Apesar das crescentes tensões antiglobalização em muitos países, a conectividade alcançou um recorde em 2017, à medida que os fluxos de comércio, capital, informação e pessoas, através das fronteiras nacionais, se intensificaram significativamente pela primeira vez desde 2007. Forte crescimento econômico impulsionando fluxos internacionais, enquanto mudanças políticas importantes, como os aumentos tarifários nos EUA ainda não haviam sido implementadas.

O índice de 2018 mede o estado atual da globalização, bem como as classificações individuais de cada país, com base na profundidade (intensidade dos fluxos internacionais) e na amplitude (distribuição geográfica dos fluxos) das conexões internacionais dos países. Os cinco países mais conectados do mundo em 2017 foram os Países Baixos, Cingapura, Suíça, Bélgica e Emirados Árabes Unidos. Oito dos 10 países mais conectados estão localizados na Europa, ajudando a torná-la a região mais conectada do mundo, em particular para o comércio e fluxo de pessoas. A América do Norte, líder em fluxos de capital e informação, ficou em segundo lugar entre as regiões do mundo, seguida pelo Oriente Médio e Norte da África em terceiro lugar.

Na África subsaariana, o país com maior classificação foi Maurício, que ocupou a 40ª posição, enquanto a África do Sul foi eleita a mais alta do ranking no continente africano, com uma classificação geral no 56º lugar.

“À medida em que o mundo continua se globalizando, ainda há muitas oportunidades para o comércio intercontinental e intrarregional, particularmente para as economias emergentes da África Subsaariana”, disse Hennie Heymans, CEO da DHL Express na África Subsaariana. “A globalização é um fator-chave para o crescimento e a segurança fiscal, o que é evidente nos países que a acolheram. Estamos confiantes em continuar crescendo na região com a entrada em vigor de novos acordos comerciais, para apoiar a colaboração regional.”

"Surpreendentemente, mesmo após os ganhos recentes da globalização, o mundo ainda está menos conectado do que a maioria das pessoas pensa," comentou o coautor do ICG, Steven A. Altman, pesquisador sênior da Escola de Negócios Stern da Universidade de Nova York e diretor executivo do Centro Stern da Universidade de Nova York para a Globalização da Educação e Gestão. “Isso é importante porque quando as pessoas superestimam os fluxos internacionais, elas tendem a se preocupar mais. Os fatos em nosso relatório podem ajudar a acalmar esses medos e concentrar a atenção em soluções reais para as preocupações sociais sobre a globalização.”

Globalmente, o ICG mostra, por exemplo, que apenas cerca de 20% da produção econômica em todo o mundo é exportada, aproximadamente 7% dos minutos de chamadas telefônicas (incluindo chamadas pela Internet) são internacionais e apenas 3% das pessoas vivem fora dos países onde nasceram. O relatório também desmascara a crença de que a distância está se tornando irrelevante. A maioria dos países está muito mais conectada com seus vizinhos do que com nações distantes.

As economias emergentes permanecem menos conectadas que as economias avançadas

O ICG continua revelando grandes diferenças entre os níveis de globalização nas economias avançadas contra as economias emergentes. As economias emergentes negociam de forma quase tão intensa quanto as avançadas, mas as economias avançadas são três vezes mais profundamente integradas aos fluxos internacionais de capital, cinco vezes pelo fluxo de pessoas e quase nove vezes em relação aos fluxos de informação.

Além disso, enquanto líderes de grandes mercados emergentes se tornaram grandes partidários da globalização no cenário mundial, o progresso das economias emergentes que estão se recuperando em termos de conectividade global, se estancou.

Moçambique supera expectativas

Moçambique foi nomeado como um dos cinco países onde os fluxos internacionais superam as expectativas. Esta é uma notícia positiva para a região, porque uma conexão global mais profunda pode ajudar a acelerar o crescimento econômico dos países.

Uma das causas de otimismo em relação ao potencial de crescimento da África Subsaariana é a assinatura do Acordo Africano de Comércio Livre Continental (AfCFTA), assinado por 49 países em março de 2018. De acordo com um estudo da Comissão Económica das Nações Unidas para África, a implementação completa da AfCFTA poderia dobrar o comércio intra-africano e impulsionar a conectividade global do continente.

Distribuído pela APO Group em nome de Deutsche Post DHL.

Nota aos editores:
O relatório foi encomendado pela DHL e de autoria de Steven A. Altman, Pankaj Ghemawat e Phillip Bastian da Escola de Negócios Stern da Universidade de Nova York e da IESE Business School. O Índice de Conexões Globais DHL 2018 se baseia em mais de 3 milhões de pontos de dados de fluxos internacionais que abrangem comércio, capital, informação e pessoas. Documenta e disseca os níveis de globalização, tanto em nível global quanto em 169 países e territórios, que juntos respondem por 99% do PIB mundial e por 97% de sua população.

O relatório e informações adicionais podem ser baixados em Logistics.dhl/gci.

Mídia de Contato:
Megan Roper (Collinicos)
Chefe de Marketing, África Subsaariana, DHL Express 
Telefone +27 21 409 3613 
Celular +27 76 411 8570
megan.collinicos@dhl.com
Siga-nos em: twitter.com/DHLAfrica

DHL – Empresa de logística para o mundo
A DHL (www.DHL.com) é a marca líder global no setor de logística. Nossa família de divisões da DHL oferece um portfólio incomparável de serviços logísticos que vão desde entrega de encomendas nacionais e internacionais, soluções de envio e atendimento de comércio eletrônico, transporte expresso internacional, rodoviário, aéreo e marítimo para gerenciamento da cadeia de fornecimento industrial. Com cerca de 360.000 funcionários em mais de 220 países e territórios em todo o mundo, a DHL conecta pessoas e empresas de maneira segura e confiável, possibilitando fluxos de comércio global. Com soluções especializadas para mercados e indústrias em crescimento, incluindo tecnologia, ciências da vida e saúde, energia, automotivo e varejo, um comprometimento comprovado com a responsabilidade corporativa e uma presença incomparável em mercados em desenvolvimento, a DHL está posicionada como “Uma empresa de logística para o mundo."

A DHL faz parte do Grupo Deutsche Post DHL. O grupo gerou receitas de mais de 60 bilhões de euros em 2017.